Mapa da escravidão

mapa-da-escravidao01

Trabalhador resgatado no Pará, estado que mais registra casos de escravidão. (foto: Leonardo Sakamoto/ Repórter Brasil)

A CH On-line preparou um mapa interativo assustador, com os dados de cada ocorrência registrada na versão mais recente da famigerada ‘Lista suja do trabalho escravo’ no Brasil.

Tempos coloniais já se foram. Mas resquícios de nosso subdesenvolvimentismo exaltado insistem em nos assombrar. Hoje, em pleno século 21, ainda falamos em escravidão no Brasil.

Desde 1995, o Ministério do Trabalho e Emprego (MTE), o Ministério Público do Trabalho (MPT) e a Polícia Federal (PF) já registraram mais de 43 mil trabalhadores em condições que classificam como degradantes ou análogas às de escravidão. As ocorrências são atualizadas anualmente pelo governo na famigerada ‘Lista suja do trabalho escravo’.

Com o objetivo de espacializar os dados mais recentes dessa lista, a Ciência Hoje On-line preparou um mapa interativo tão interessante quanto assustador. Ao clicar em cada um dos pontos vermelhos, o leitor tem acesso a informações específicas sobre a ocorrência em questão: município, estabelecimento fiscalizado, número de trabalhadores escravos encontrados e detalhes concernentes ao ramo de atividade.

Além do mapa, a CH On-line preparou dois gráficos interativos – também com dados do MTE. O primeiro mostra o número de trabalhadores escravos libertados entre 2010 e 2012, em cada estado de nosso país. Ao clicar sobre o ano, percebe-se a evolução dos números.

Número de trabalhadores escravos libertados

Já o segundo gráfico apresenta o histórico das fiscalizações do MPT, do MTE e da PF para erradicação do trabalho escravo. Ele traz dados referentes ao número de operações, ao número de locais fiscalizados e ao número de trabalhadores resgatados entre 1995 e 2012.

Trabalho escravo: histórico de fiscalizações

Os gráficos e o mapa complementam a reportagem ‘Escravocrata moderno’, publicada na revista Ciência Hoje n.º 309 (disponível para assinantes no nosso acervo digital). Além de trazer um panorama sobre o trabalho escravo no Brasil contemporâneo, o texto mostra que até mesmo políticos brasileiros estão envolvidos na contratação desse tipo de mão de obra, assunto que também foi abordado em matéria da CH On-line.

Aos mais engajados no tema, vale ainda conferir o trabalho ostensivo realizado pelo MPT, que mantém em sua página virtual uma seção especialmente dedicada à mão de obra escrava. O órgão também lançou a cartilha O trabalho escravo está mais próximo do que você imagina, leitura obrigatória para quem quer se informar sobre as condições trabalhistas em nosso país.

No Brasil, uma das organizações mais destacadas na apuração e divulgação do assunto é a Repórter Brasil – que mantém em sua página na internet uma seção com os dados e informações mais atuais sobre o tema.

Segundo a Organização Internacional do Trabalho (OIT), existem no mundo cerca de 20 milhões de pessoas trabalhando sob desumano regime de servidão.

Source: Henrique KuglerCiência Hoje On-line

Add a comment